Blogroll

25 de nov de 2009

A Troca (2008)


Os filmes que retratam conspiração contra certa pessoa por parte das autoridades governamentais, sempre costumam fisgar as pessoas quando mantém um ritmo bem equilibrado. A Troca, de Clint Eastwood, trata-se exatamente de uma conspiração verdadeira. A expressão Verdadeira vai além de da simples citação A true story. A obra deixa a sensação de algo verdadeiro a todo momento.

É sempre bom receber gratas surpresas, quando você não espera muita coisa de um filme ao ler a sinopse ou ver um pôster. Aprendi uma lição: não se pode esperar um filme fraco vindo de Clint Eastwood, um dos melhores cineastas da atualidade. O que conquista em A Troca é a forma magnífica e magistral que a estória é conduzida e como cada momento torna-se necessário. Este não é o melhor filme de Eastwood, mas nem por isso deve ser um filme que não deva ser lembrado. Já no inicio o diretor já não mostra o quão perfeito é a parte técnica de seu filme. A fotografia de Dean Semler cria com perfeição o ambiente dos anos 1920, e talvez estejamos diante da melhor fotografia do ano. Os cenários são criados com perfeição junto ao figurino. O que deixa a desejar, provavelmente, é o roteiro apenas correto de J. Michael Straczynsk que nos deixa com a impressão de que falta algo. O teor de suspense é criado por Eastwood com seus giros sutis que captam as expressões de seus atores por inteiro.

A estória se passa em Los Angeles, em março de 1928. Christine Collins (Angelina Jolie) é uma mãe solteira que deixa seu filho Walter (Gattlin Griffith), de 9 anos, sozinho e parte rumo ao trabalho. Ao retornar descobre que Walter desapareceu, o que faz com que inicie uma busca exaustiva. Cinco meses se passam e a polícia encontra uma criança, dizendo ser Walter. Atordoada pela emoção da situação, além da presença de policiais e jornalistas que desejam tirar proveito da repercussão do caso, Christine aceita a criança. Porém, no íntimo, ela sabe que ele não é Walter e, com isso, pressiona as autoridades para que continuem as buscas por ele. Os quarenta minutos iniciais servem apenas para concluir o enredo da projeção os 100 minutos restante mostram as consequências que Christine sofre ao insistir em dizer que o garoto enviado pela polícia não é seu filho.

A cada minuto que se passa a tensão aumenta e às vezes diminui. Acontecimentos inimagináveis nos surpreendem por muito tempo e é então que Straczynsk acerta; ele não cria situações óbvias e consegue adaptar uma história real muito bem. Angelina Jolie está não apenas convincente, mas está perfeita em seu papel. Ela é uma mãe sofrendo com a perda do filho, realmente. Seu sofrimento é tão verdadeiro que causa uma comoção profunda aos espectadores: há momentos que nos sentimos vítimas, como ela. E há momentos também que seu sofrimento é revoltante. Eu esperava algo diferente desse filme; o cinema tem esse adjetivo especial: surpreender-nos de uma forma avassaladora quando não damos nada num certo filme. É Clint Eastwood, só sai coisa boa desse cara. A habilidade do diretor de conseguir comover com facilidade, sem parecer que foi feito para chorar, continua assídua e intacta. Qualquer semelhança com Sobre meninos e lobos é mera coincidência.


A Troca
(Changeling, EUA, 2008)
Direção: Clint Eastwood Roteiro: J. Michael Straczynski Elenco: Angelina Jolie, John Malkovich, Gattlin Griffith, Michelle Gunn, Jan Devereaux, Michael Kelly, Erica Grant, Antonia Bennett, Kerri Randles, Frank Wood, Morgan Eastwood, Madison Hodges, Colm Feore, Devon Conti, J.P. Bumstead. Biografia/Drama. 141 min.

4 comentários:

  1. Rafael, adorei o post!!! Muito mesmo!!!

    Você disse tudo o que achei do filme! Fantástica história, real e emocionante!!! Não tem como Clint não nos surpreender, o cara é fera! Angelina Jolie foi simplesmente ótima em sua atuação, o que mostra cada vez mais que ela é uma ótima atriz!!!
    Adorei a frase: "Seu sofrimento é tão verdadeiro que causa uma comoção profunda aos espectadores: há momentos que nos sentimos vítimas, como ela"!

    Exatamente isso, a agonia que ela sente sentimos juntos! Principalmente na parte em que sabemos o que houve com Walter não é?! E também quando a internam a força(que foi aquilo?)

    Cara, parabéns, amei o post mesmo e ainda mais o filme, agora o reverei, pois este filme vale mais uma olhada agora já sabendo o ocorrido né?

    ABRAÇÃO!

    ResponderExcluir
  2. Realmente é um lindo filme que se apoia em uma excelente interpretação da Angelina... Realmente sensacional...

    ResponderExcluir
  3. Dos filmes lançados pelo Eastwood, em 2008, meu favorito é "A Troca". Gosto MUITO da reconstituição de época e, especialmente, da performance da Angelina Jolie, a qual é fortíssima. No entanto, acho que o filme peca ao se alongar demais. Poderia ter terminado bem antes.

    ResponderExcluir
  4. Ricardo, eu gostei muito do filme por passar essa verdade da atuação da Jolie. Cara, aquele momento em que sabemos o que houve com Walter, me deu frio na barriga. Adorei seu comentário, cara. Muito motivador, obrigado!

    O Cara da Locadora, acho que o melhor do filme é sua fotografia e cenários.

    Kamila, eu não vi "Gran Torino", por isso não digo q "A Troca" é melhor, mas digo q é muito bom. Acho que se não tivesse a longa duração (que nem é tão longa) não haveria a belíssima cena do interrogatório do garotinho. Bjos.

    ResponderExcluir

Dê sugestões, idéias, fale sobre a postagem, critique. 1ª visita? Deixe seu nome, cidade e idade! Evite comentários anônimos, ofensivos ou spam. Se for sobre o filme, evite spoiler para que nenhum outro leitor veja acidentalmente. Assim que ler, responderei e publicarei aqui. Volte para ver a resposta. Obrigado pela Visita!